Mudar de Vida – São cafés e lojas mas o que foram antes?

Lavoisier disse um dia “Na Natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Sábias palavras então como agora, que se revelam uma realidade constante. A crise obriga a uma maior criatividade para encontrar soluções económicas que, muitas vezes vêm de braço dado com a ecologia, mas também a valorizar objectos e edifícios com história. As palavras de ordem são “renovar, remodelar, reinventar, reutilizar… mudar de vida!” Mesmo que implique comprar roupa num antigo escritório, beber café numa antiga loja de ferragens ou comer uma salada numa antiga casa-de-banho pública?

Eel
De escritórios a loja de roupa

O que já foi um espaço de escritório volta a viver como a nova loja da japonesa EEL. Os arquitectos Jo Nagasaka e Tomoki Katada, da Schemata Architects, despiram a área até ser exibido o cimento das paredes e chão aplicando um minimalismo, tipicamente oriental, ao espaço de retalho. “Criar um sentimento de “incompletude” foi a chave para o nosso design” referem os arquitectos à This is Paper “O nosso processo de construção foi essencialmente “subtracção” – isto é, desmantelar, pelar e raspar camadas desnecessárias, excepto para alguns elementos adicionais […] No chão retirámos a carpete e lixámos o pêlo que restou colocando argamassa para o tornar perfeitamente horizontal e “super liso”. Como resultado, criámos um mosaico aleatório de padrão único – em alguns lugares revelam-se agregações enquanto noutros espaços partículas muito finas cobrem a superfície. Também removemos todos os acabamentos – pintura, rodapé, isolamento, etc. – das paredes e tecto que está inacabada e não preparada para exibição pública – que agora está exposta. Ao reverter o processo de construção, o estado de “incompletude” reaparece. Os displays são também construídos pela metade e deixados num estado de “incompletude”. Espelhos de aço inoxidável e molduras são soldados e deixamos a junta da solda por polir, o que cria padrões interessantes na superfície.

Prateleiras suspensas são feitas de tubos de aço. O revestimento é removido e as articulações são soldadas. Apagamos os vestígios de queimado da solda mas deixamos a superfície de metal por pintar. Caixas de madeira, usadas como bases para expositores, são feitas de madeira Lauan […] Esses elementos inacabados reforçam o nosso conceito de design de “incompletude”. Outros elementos foram adicionados ao espaço – uma parede de vidro como divisória, provador, parede de cimento que separa a loja das traseiras e finos cabos de tensão em aço usados como cabides, fio eléctrico para iluminação. Quando os elementos finais do design – as roupas – estão em exposição, o espaço está completo.”


imagens via Dezeen

Laurel Hardware
Peça uma sobremesa e não pregos

A placa ainda exibe o nome original e o conceito do que foi o espaço “Laurel Hardware – Plumbing & Electrical Supplies . Keys . Paint & Glass”. A loja de ferragens deixou de existir para dar lugar a um trendy café/bar. Já não se compram martelos, chaves de fendas, parafusos ou cabos eléctricos mas antes, saboreiam-se deliciosas iguarias ou compartilha-se um café com dois dedos de conversa.

A parede que separa o exterior do interior é uma enorme janela que permite contacto entre estes dois espaços. O novo Laurel Hardware possui o encanto rústico da simplicidade da madeira gasta e do papel de parede floral ao mesmo tempo que capta o ambiente industrial. Mesas, cadeiras e iluminação remetem para a loja de ferragens.

Um quintal verde convida o bom tempo a entrar. Mesas e cadeiras polvilham o espaço numa disposição informal.
A Laurel Hardware promete um festim gastronómico inspirado no “new America” e um toque de influências globais. Os produtos são locais e orgânicos. O café/bar serve Brunch, Almoço e Jantar mas aqueles que procuram um encontro informal podem simplesmente tomar um cocktail ou copo de vinho. Aos mais gulosos aconselhamos as sobremesas.

7984 Santa Monica Blvd.
West Hollywood, CA 9004


imagens via Charlotte Minty

The Attendant
Beber café ao lado de um urinol

The Attendant foi construído em 1890 como espaço de escritório e casas-de-banho públicas. Desde 1960 que se encontrava ao abandono. Situado no coração de Londres, o velho espaço em declínio ganhou nova vida com a sua transformação num coffe house que preserva a sua história primária.

Pete Tomlinson e Ben Russell são os responsáveis pelo coffe house mais original de Londres. O espaço, inaugurado em Janeiro de 2013, levou dois anos a ser restaurado e os donos sempre tiveram o intuito de manter as suas características únicas e aplicá-las com novo uso. O acesso continua a ser subterrâno e através de uma construção de metal. O antigo escritório deu lugar à cozinha, que se liga ao café através de um balcão corrido. A porta de acesso é a original.

A sala onde se localiza o café mantém os urinóis originais, desenhados em 1890 por Doulton & Co., como base para as mesas – um tampo de madeira corrida que encaixa nos desenhos trabalhados das porcelanas – se sugerem lugares individuais. Os azulejos da parede e os ladrilhos do chão são igualmente os originais. O café é tido como divinal e os apreciadores de comida saudável podem desfrutar de refeições ou peticos como bagels caseiros, sandwiches de porco e uma grande variedade de saladas de vegetais.

27a Foley Street, Londres

Before Attendant

Transforming Attendant

Now Open!

imagens via Peter Tomlinson Pinterest e Design Boom

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: